Exames

Eletroneuromiografia de Face Total

A eletroneuromiografia é um exame complementar que avalia a função dos nervos periféricos e dos músculos do cliente. De um modo geral, é composto por duas etapas: neurografia e miografia com agulha.

A neurografia, também conhecida como estudo de neuro-condução avalia segmentos de nervos periféricos nos braços, pernas, face ou tronco. É realizada através da aplicação de estímulos elétricos (pequenos choques) e o registro da propagação desses choques pelos nervos é feito pela captação de atividade elétrica em músculos ou nos nervos, sobre a pele.

Já a miografia consiste na introdução de uma agulha em grupos musculares selecionados com o intuito de avaliar a atividade elétrica nesses grupos e detectar possíveis anormalidades em sua inervação ou doenças próprias dos músculos.

A eletroneuromiografia dói?

Muito se ouve falar sobre a eletroneuromiografia e essa é uma questão frequente nos segundos que precedem a realização do procedimento. Ambos procedimentos citados acima (neurografia e miografia) geram algum desconforto, mas a boa comunicação com o médico que conduz o exame, o esclarecimento e relaxamento do cliente contribuem para que o exame seja completamente tolerável.

Quando deve ser feita a eletroneuromiografia?
Sempre que há uma suspeita de acometimento traumático, inflamatório ou infeccioso do sistema nervoso periférico deve ser realizada uma eletroeneuromiografia.

Os quadros mais comumente avaliados são os de neuropatias compressivas (ex. Sd. túnel do carpo), radiculopatias (associadas ou não a hérnias discais), paralisia facial periférica e doenças musculares (miosites, distrofias musculares).

Principais Indicações

Sempre que há uma suspeita de acometimento traumático, inflamatório ou infeccioso do sistema nervoso periférico deve ser realizada uma eletroeneuromiografia.
Os quadros mais comumente avaliados são os de neuropatias compressivas (ex. Sd. túnel do carpo), radiculopatias (associadas ou não a hérnias discais), paralisia facial periférica e doenças musculares (miosites, distrofias musculares).

  • Doenças do Neurônio Motor:
    Esclerose lateral amiotrófica
    Esclerose lateral primária
    Atrofia muscular progressiva
    Poliomielite (paralisia infantil)
    Atrofia muscular espinhal
    Doença de Kennedy
    Amiotrofia monomélica
  • Doenças dos Nervos Periféricos
    Polineuropatias axonais e desmielinizantes
    Mononeuropatias (Túnel do Carpo, Paralisia Facial)
    Trauma de nervos periféricos
    Mononeuropatias múltiplas
  • Doenças das Raízes Espinhais
    Radiculopatias (hérnia de disco)
    Polirradiculopatias (diabetes, inflamação, artrose da coluna)
  • Doenças da Transmissão Neuromuscular
    Miastenia gravis
    Síndrome miastênica de Lambert Eaton
    Botulismo
    Intoxicação por organofosforados
  • Doenças das Raízes Espinhais
    Plexopatia braquial
    Síndrome do desfiladeiro torácico neurogênica verdadeira
    Plexopatia lombossacral
  • Doenças da Transmissão Neuromuscular
    Miopatias
    Distrofias musculares
    Paralisias periódicas

Exitem contraindicações à realização da eletroneuromiografia?

Não há contraindicações absolutas. Deve ser tomada cautela apenas nos casos em que o cliente é anticoagulado ou apresenta lesões de natureza inflamatória, infecciosa ou neoplásica na pele em área próxima de ponto de inserção da agulha. Implantes metálicos (ex. “platinas”) não contraindicam o exame e a presença de marcapasso apenas impede a estimulação sobre o local do implante.

Preparo para o Exame

  • No dia do exame deve-se chegar com no mínimo 15 minutos de antecedência.
  • Não use loções, óleos ou cremes sobre a pele já que eles podem dificultar a adesão de eletrodos.
  • Venha de banho tomado.
  • Para exames de membros superiores, vista camiseta de manga curta ou cavada e, para exames de membros inferiores, um short ou bermuda (saias também são permitidas).

Neste exame, atendemos Particulares e os Convênios abaixo.

Convênios para esse Exame

Voltar